faixaatuação2.jpg

BLOG

  • Sheylli Caleffi

A erradicação da violência sexual é uma mudança urgente. Aqui você encontra material sobre o assunto que pode auxiliar vítimas e aliados.


Por já ter sofrido violência sexual na infância e na vida adulta, em 2017 eu fundei o grupo de apoio a vítimas de violência "As incríveis mulheres que vão morrer duas vezes"no facebook, onde falamos abertamente sobre isso e acolhemos vítimas. Hoje são em média 4 mil participantes, principalmente mulheres mas também participam homens que sofreram esse tipo de agressão


Um dos meus objetivos é conscientizar e educar a comunidade sobre esse tema tão urgente e ignorado que afeta 4 em cada 10 brasileiras. Aqui colocarei conteúdos básicos sobre o tema e em outros posts vou aprofundando.


VIOLÊNCIA SEXUAL

Esse é um assunto muito importante, aqui deixo alguns conteúdos pra você. Pra começar, O que é estupro segundo a lei? e dados no país, lembrando que apenas 10% dos casos são notificados. Tirar a camisinha durante o sexo (Stealthing) também é estupro! E, principalmente, vamos ter cuidado pra não silenciar as vítimas Como silenciamos estupro. Ainda tem dúvidas sobre o que é Cultura do estupro? Só clicar! Tudo começa com o Assédio Sexual que é muito comum no nosso país e foi denunciado de forma mais ampla na campanha Chega de Fiu Fiu


1. Grupo de apoio a vítimas de violência sexual

As incríveis mulheres que vão morrer duas vezes no facebook. O objetivo é falarmos sobre o assunto para o maior número possível de pessoas, inclusive amigos e familiares de sobreviventes.



Grupo de Apoio com arte (claro) da Andrea Tolaini




Ali já na descrição do grupo temos um compilado de vídeos e matérias importantes sobre o tema. Muitas mulheres não sobrevivem a essa violência e muitas não podem falar sobre isso por questões de segurança. Porém temos muitas dispostas a falar e juntas vamos transformar esse tabu em ações.

Como acolher uma vítima? Pega essas dicas traduzidas pela musa Patricia Castro que administra o grupo comigo.






Trecho do livro da Sohaila Abdulali “Do que estamos falando quando falamos de estupro”


Um estupro não precisa se tornar um trauma, isso depende de acolhimento, veja esse relato da Bel Saide





2. É fundamental que a violência sexual seja discutida amplamente.

Foi uma grande conquista abordar o assunto no programa Encontro com Fátima Bernardes “Estupro!”. Muitas mulheres nos encontraram a partir desse programa e puderam falar disso com alguém pela primeira vez na vida.


Globoplay


3. Vídeo para o Canal do Dr. Drauzio Varella sobre “Estupro”.

Esse convite foi muito importante pra mim. Tive uma crise de choro muito forte depois da gravação e a equipe me acolheu. Obrigada! Ver a seriedade de todos foi comovente.

Facebook / Youtube / IGTV


4. O que não devemos dizer para uma vítima de estupro?

Muitas vezes não sabemos agir diante desse tipo de relato. No vídeo “Como ajudar uma vítima de abuso”eu falo um pouco sobre isso.

Facebook / Youtube


5. Falando sobre estupro sem medo.

Live onde tiramos dúvidas da audiência em parceria com a Olivia Godoy do canal Olivices. Muito bacana pra quem quer compreender mais sobre o tema.

Facebook / Youtube


6. Por que é tão difícil acreditar nas vítimas?

Mesmo com dados oficiais de 1 estupro a cada 11 minutos no país é só alguém falar publicamente que foi estuprada pra muita gente acusa-la de mentir. Por que será que isso acontece e o que você pode fazer a respeito.

Facebook / Youtube / IGTV


7. Todos estamos envolvidos

Essa reportagem sobre Violência sexual em relações consentidas mostra como a cultura da violência e do estupro atingem a todos: Fui estrangulada durante o sexo’: as mulheres que enfrentam violência em relações consentidas

8. Será que eu sou uma pessoa violenta?

Com que grau de violência estamos habituados no nosso cotidiano? Recebo muitos relatos de mulheres e homens perguntando se o que viveram foi realmente um estupro e era em 100% das vezes. Será que estamos perdendo a capacidade de reconhecer as violências sistêmicas e individuais que enfrentamos?


Facebook / Youtube


9. Por que as vítimas não falam?

Que tal refletirmos juntos as razões desse crime ser tão subnotificado? Fiz uma enquete outro dia no grupo perguntando o que as sobreviventes acreditavam ser mais relevante pra falar em rede nacional sobre isso e a resposta foi em uníssono: "Que a vítima não tem culpa". Por que será que ainda não compreendemos isso?


Facebook / Youtube / IGTV


10. Como nos acostumamos muito com violência,

achamos normal algumas coisas que não são normais. Amor não persegue e esse vídeo aborda o assunto de homens que perseguem ex namoradas ou mesmo mulheres com as quais nunca se relacionaram Homens perseguidores

Facebook


11. Como curar um trauma?

Com a participação da Terapeuta Helena Martins, alguns passos que podem nos ajudar nessa caminhada!


Youtube


12. Por que é tão difícil se livrar da culpa?

O paradoxo da culpa é uma reflexão inspirada no livro "Do que estamos falando quando falamos de estupro"de Sohaila Abdulali. Recomendo muito essa leitura!

IGTV / Facebook / Youtube


13. Uma reflexão importante sobre o poder e o abuso sexual.

Neste vídeo João de Deus e o Estupro nosso de cada dia resolvi fazer algumas considerações ao observar como as pessoas estão reagindo a algo que é tão comum no país. Se você se chocou com esse caso, esse vídeo é especialmente pra você. Aproveito pra agradecer todos que estão trabalhando com afinco pra que essa realidade mude! Vocês estão nos dando uma grande oportunidade de ver as coisas como são e só assim é possível construir um mundo melhor, obrigada!

Facebook / Youtube


14. Existe um habito social de falarmos sobre violência apenas com as mulheres

que geralmente já sabem bem o que é e como agir. Precisamos trazer os homens pra essa conversa, isso é urgente! Homens, precisamos de vocês pra acabar com assédio e estupro. Acredito que é o primeiro vídeo que eu fiz sobre esses assuntos.


O QUE É CULTURA DO ESTUPRO?

Muitas pessoas têm dificuldade em compreender essa expressão e a Gabriela Mayer me convidou junto com 3 mulheres espetaculares pra explorar esse tema tão importante e cada dia mais fundamental. O que adianta chegarmos a lua se continuamos explorando os corpos de mulheres e crianças?

Elas com elas #84 - Violência sexual e cultura do estupro


NATURALIZAÇÃO DA VIOLÊNICA

Algumas notícias nos chocam, e elas tem a ver com cultura. Em novembro de 2020 um jogador do Internacional foi demitido após declarar em um vídeo que dopou uma mulher para estupra-la (clique pra ler a reportagem e ver o vídeo). A BandNews me convidou pra falar sobre o assunto.


Para assistir no Facebook clique aqui e para assistir no Instagram clique aqui








Homens mudando sua forma de ver e agir no mundo

Especialmente se você for homem, assiste esse documentário abaixo, que mostra muito do que precisamos modificar em nós:



Pra saber mais sobre o assunto, acesse esse link



  • Sheylli Caleffi

Dicas de comunicação em vídeo pra melhorar sua conexão com a audiência

O cesto de roupas é um excelente suporte de notebook como vocês podem ver na imagem. Nesse dia eu falava com mais de 300 pessoas simultaneamente. Como comandar a minha energia pra envolvê-las na fala? Sentada fica muito difícil.



O vídeo mata nossa expressão, por isso reuniões online são tão cansativas. Nos esforçamos mais para que nos compreendam e os outros se esforçam mais para nos compreenderem.


Quando estou falando pra mais de 40 pessoas em até 1:30 de duração, prefiro ficar em pé. Às vezes mesmo que a turma seja menor e o tempo maior, ministro uma parte do workshop em pé e outra sentada.


Realizei uma palestra para 2 mil professores simultaneamente sobre como fazer vídeos com o que você tem em casa. Como manter a minha energia alta sentada?


Pessoalmente, acho mais difícil porque a minha energia pessoal flui melhor em pé. Inclusive sempre recomendo exercícios físicos antes de uma apresentação. Polichinelo é o meu preferido, pra entrar literalmente aquecida no evento.

Coloquei algumas dicas nos cards e aqui tem um link com vídeos, podcasts e textos que podem te ajudar nessa jornada constante em busca de uma comunicação efetiva.


Dicas de comunicação em vídeo:

1. As pessoas estão vendo apenas seu rosto mas sua energia é produzida no corpo todo. De uns pulinhos antes de começar, faça a energia fluir;

2. Já que o vídeo apaga um pouco da nossa expressão diminuindo a conexão, exagere nos movimentos corporais e nas expressões faciais. No vídeo, não existe isso de "mexo muito as mãos". Além de movimentá-las com frequência, traga para perto do rosto, dentro do enquadramento do seu vídeo;

3. Muitas pessoas te assistirão no celular - lembre sempre disso! Então fique o mais perto possível da câmera para que vejam suas expressões, e use letras grandes em apresentações;

4. É importante olhar pra câmera? É! O público se conecta mais se você olha diretamente para ele (na bolinha da câmera). Porem evite ficar vidrada olhando fixamente pra câmera porque em uma conversa real você vira pro lado, busca algo na memória olhando pra cima, olha para baixo, isso traz naturalidade e leveza pra sua comunicação;

5. Naturalidade?

Naturalidade não existe no vídeo porque não é natural falar para um pedaço de plástico e metal com uma bolinha (a câmera).

Então a naturalidade no vídeo é construída. Você reproduz o seu próprio comportamento dentro de um enquadramento e ampliando alguns movimentos e intenções da fala para dar dinâmica e conectar com a audiência.




#comunicacao #falarempublico #palestra#oratoria

  • Sheylli Caleffi

Fazer um orçamento não é tarefa fácil e pessoas criativas podem ter dificuldades na hora de compor propostas. Veja dicas de quem tem anos de prática!

Esse texto é pra você que não tem ideia de como fazer um orçamento para seus produtos artísticos. Existem muitas formas de monetizar um conteúdo artístico, seja o formato dele podcast, vídeo, teatro, foto… (Se for vídeo aproveita essa planilha aqui) Muita gente maravilhosa começa diariamente nessas áreas e fica um pouco perdida no início. Como eu amo orçamentos e negociações, e vivo tirando dúvidas de alunos e colegas, vou compartilhar algumas dicas com vocês também. Espero que aproveitem!


ATENÇÃO: Se você quer aprender a fazer podcast, seja para trabalhar sua criatividade ou entrar no ramo, posso realizar uma oficina na sua empresa ou uma mentoria pra vc! contato@sheylli.com


Como fazer um orçamento para projeto artístico

A ideia inicial era falar de como fazer um podcast pra um cliente, mas esse be-a-bá serve também para outros projetos e para fazer orçamento do seu próprio programa patrocinado; ou apenas um episódio exclusivo patrocinado, enfim, a lógica será parecida sempre!


O que você precisa saber para fazer um orçamento

Tudo! Tudinho mesmo. Não deduza. Faça uma boa planilha para entender todos os seus custos e eventuais problemas que podem aparecer no caminho. Coloque tudo nessa planilha. Mais abaixo, deixo uma “colinha” com o que acredito ser importante.


Acúmulo de funções

Muitas vezes, você acumula funções em uma produção. Mas, pra montar seu orçamento, não considere isso, imagine que cada função é executada por uma pessoa diferente. Por que? Digamos que você combinou de entregar 30 episódios que serão produzidos ao longo de 4 meses para uma grande empresa (já vivi isso).


E no meio você fica doente e não pode ser a narradora e editora do programa. Então você terá que contratar duas pessoas. Se seu orçamento não comporta isso, você vai comprometer a qualidade do produto.


Se você deu um desconto e algum imprevisto aconteceu, você pode voltar na planilha e dividir esse imprevisto com o cliente porque ele entende de onde veio o desconto e porque isso vai gerar um valor extra. Trate o cliente como adulto, eles são ótimos e geralmente entendem bem de negócios.


Então coloque as funções todas com os valores reais e depois dê um desconto, ou vários, considerando (nessa ordem):

1- Quantidade de episódios

2- Acúmulo de função

3- Tamanho do cliente

4- Outras parcerias possíveis (ações de marketing no perfil do Instagram do cliente, entrevistas em vídeo… Enfim, o céu é o limite!)


Venda uma ideia!

Como diz nosso amigo Professor Maury da Rede Geek, “Não venda podcast, venda uma ideia — que inclui podcast”. Isso pode ser aplicado a qualquer produto artístico, pense nele amplamente, crie algo que vá além do formato.



Produção


👉 Produtor Master (dona do job, às vezes também faz atendimento): Valor por job (trabalho do início ao fim) ou por dia.

É responsável pela entrega, por agendar cada parte, conseguir as autorizações, contratar a equipe, garantir que tudo fique nos trilhos.


👉 Produtor: Valor/dia

Alguém que auxilia no dia, caso seja necessário


👉 Logística/Transporte: Valor/dia

Depende do tamanho da equipe e se tem locação de equipamento pra ir buscar


👉 Alimentação: Valor/dia

Esse valor depende do tamanho da equipe. Às vezes depende até da existência ou não de uma copa que disponibilize água e café no local. Também é possível fazer um acordo com equipe e cliente que cada profissional é responsável por si. Mas lembre de verificar a locação onde será executado o projeto, porque muitas vezes não tem nada perto ou é mais rápido levar toda a equipe se alimentar no mesmo local.


👉 Produção geral: Valor/job

Aqui você está pensando em fita crepe, emergência, saco de lixo, coisas que surgem. Sempre reserve um valor pra isso, mesmo que seja bem pequeno.


Criação e Roteiro


👉 Criação: Valor por programa. É quem cria a estrutura para chegar aos objetivos traçados.


👉 Roteirista: Valor por episódio ou pacote. É quem desenvolve os episódios. Quem escreve o roteiro de fato. Pode ser uma pessoa ou uma equipe.

As vezes sou contratada para escrever o roteiro e as vezes para conduzir a construção criativa do programa, como no caso do Ponto M da Marcela MC Gowan. Ele é uma ginecologista especialista em sexualidade que ficou conhecida por sua participação no BBB 2019. Fui chamada pra ajudar a criar o programa e a linha para os episódios, já o conteúdo detalhado foi desenvolvido pela Marcela e ficou muito bom!


👉 Revisor: Valor por episódio ou pacote

Dependendo do trabalho, além de um roteirista é bom você contemplar um revisor de texto profissional.


👉 Especialista: Valor por episódio ou pacote

Quando o job é muito especializado, o roteirista precisa de ajuda. Recentemente, fui roteirista em uma série de mais de 30 episódios com assuntos muito técnicos para um cliente, então contratei uma pessoa para acompanhar o processo e me ajudar nos roteiros.

Captação


👉 Direção: valor/dia ou valor/job

É quem vai dirigir os atores, a gravação, muitas vezes é o host do programa mas pode ser alguém especializado cuidando apenas disso.


👉 Técnico de som: valor/dia

Cuida para que a captação esteja ok, pede pra refazer, garante a qualidade técnica.


👉 Microfonista: valor/dia

O nome já explica né? Se são muitas vozes o técnico responsável precisa de ajuda.


👉 Estúdio ou equipamento: valor/hora

Mesmo que você utilize equipamento próprio, considere o valor de aluguel pelo motivo que falei no início. Se der uma zica, você tem verba pra resolver. Vale considerar que o seu equipamento também precisa de manutenção e troca periódica. Logo, cobre o aluguel do seu estúdio e equipamento.


👉 Estúdio online: existem muitas plataformas hoje como o Zencaster , Riversite, Squadcast que já captam o audio em linhas separadas e custam pouco. Além do Discord geralmente usado pra jogos (eu uso muito pra direção de eventos online) e até o Zoom que já está gravando separadas as linhas de áudio. E tem o Anchor né, do próprio Spotify.


👉 Host/Locutor/Atores: valor/dia

Geralmente o valor aqui é por dia e assim você pode otimizar a produção gravando mais de um episódio por dia. Só lembre de não “esfolar” os seus atores ou locutores. A diária deles não pode ser de 8h, ninguém aguenta! Geralmente, quando sou contratada como locutora, fico 3h gravando ou faço diárias de até 6h. Muitas vezes é interessante já negociar, além do cache pela gravação, um valor para posts nas redes sociais dos apresentadores ou convidados, especialmente quando são famosos. Nesse caso especifique bem quantidade de Stories e posts fixos em quais mídias e se elas são do artista ou da empresa, etc.

Preparação de Elenco



👉 Direção: valor/dia ou valor/job

Muitas vezes sou contratada pra preparar quem fala. Algumas pessoas são convidadas para fazer um podcast mas não tem experiência no formato de áudio (que possui especificidades em relação ao vídeo) Esse preparo geralmente é feito antes da gravação simulando esse momento, como um grande ensaio mesmo, que pode ser individual com quem tem essa necessidade ou com o time todo. Em outros momentos acompanho também as gravações e algumas publicações para irmos adequando a linguagem ao longo do tempo. Foi o caso do Céu da semana onde a super Mariana Candeias conhecida como @magaastrologica foi convidada para assumir o podcast de astrologia da Deezer mas não tinha intimidade com o formato e precisava enviar a gravação pronta pra eles, então trabalhei como uma diretora freela até ela pegar confiança no formato. Já no Somos Newa da consultora de diversidade e inclusão Carine Roos, participei da construção inicial e acompanhei o decorrer de alguns episódios com dicas de aprimoramento.



Edição


👉 Editora: valor/episódio

Aqui é importante considerar o tempo de captação, muitas pessoas que trabalham com edição consideram isso em seus valores. No podcast Baseado em fatos surreais que criei com uma colega e conduzi como co-host por 4 anos tínhamos muita experiência. Quase não haviam erros de gravação e o tempo de gravação era muito parecido com o do programa final, por isso o valor de edição era baixo. Agora, se gravamos 2h pra fechar um programa de meia hora, o material bruto tem 4 vezes o tamanho do material final e dará muito mais trabalho pra editar. Da mesma forma se existem entrevistas gravadas separadamente que precisam ser editadas uma a uma, o valor aumenta e o tempo também.


👉 Vinhetas e trilhas exclusivas: valor/vinheta ou pacote

Logicamente, as trilhas precisam ser liberadas para uso ou compradas (verifique sempre os direitos autorais, hoje existem muitas bibliotecas de trilhas

Quando profissionalizamos o nosso podcast — mas especialmente quando criamos para nossos clientes- o ideal é utilizarmos vinhetas exclusivas, compostas para aquele projeto. Isso evita que outro programa tenha a mesma identidade sonora. Muitas editoras e editores já fazem isso, mas alguns não. Às vezes você precisa acionar um produtor de áudio e até um compositor, enfim, depende do tamanho da sua entrega.

Publicação, Distribuição e divulgação (as vezes é você que faz, as vezes é uma agência, as vezes o cliente)

Essa parte não é sobre fazer um podcast mas colocá-lo a disposição dos ouvintes. Por exemplo, quando dirigi o podcast de Natura Musical “Nos encontramos na música”, a agencia Virtue foi responsável pela criação do projeto, pela estratégia de divulgação e portanto pela linha criativa das artes. Eu e minha equipe fizemos o roteiro, a produção e a a edição. Nossa responsabilidade ia do roteiro, passando pelo agendamento da gravação até a publicação do episódio na plataforma de hospedagem, garantindo que chegassem aos agregadores (Itunes, Spotify, Deezer, Google podcasts etc). Isso inclui ter uma imagem e um texto que eram criados pela agência. É um trabalho coletivo!



👉 Plataforma de hospedagem

Do mesmo jeito que você precisa pagar o domínio de um site, você precisa pagar um local na rede onde o seu áudio ficará morando. E nesse local vc pega um link e coloca nas plataformas de distribuição como Itunes, Spotify, Deezer, Google podcasts etc. Existem plataformas gratuitas ou gratuitas até uma quantidade de minutos como o Anchor e o Soundcloud que são boas para teste mas para um cliente vc precisa de uma plataforma paga. Elas custam em média 1mil reais por ano e fazem a distribuição automática pra todas as outras plataformas, algumas como o Acast inclusive geram automaticamente um vídeo e postam no youtube (se vc quiser).

No caso de um cliente você precisa colocar no orçamento que essa despesa é responsabilidade dele, já que é uma assinatura anual e vc está só fazendo o programa.\


👉 Texto da vitrine

O texto da vitrine é como chamamos aquele texto curto que descreve o episódio nas plataformas de distribuição. Ele faz parte da sua estratégia de Marketing como o nome do episódio. Esse nome deve ser pensado para que seja encontrado em buscas do google com técnicas de SEO. O texto deve conter detalhes do que vem no episódio e pode ter também a ficha técnica e as redes sociais do programa.


👉 Imagem

Aqui entra um trabalho de designer que cria a identidade visual do programa e a capa de cada episódio que compõe a vitrine juntamente com o texto descritivo. Faz parte da estratégia de Marketing do programa. Essa capa pode mudar de acordo com o episódio ou ser sempre a mesma, até porque em algumas plataformas só aparece a capa principal e não a de cada episódio.

Transcrição/ episódio em formato de texto

Muitas pessoas optam por publicar na vitrine ou em algum site do programa o texto do episódio para que pessoas com deficiência possam acessar o conteúdo e para que as plataformas de busca como o gloogle encontrem o conteúdo. Se essa for uma solicitação de seu cliente, vc precisa incluir essa transcrição.

Encargos


👉 Imposto: % em cima do projeto

Lembre-se de incluir além do imposto da sua nota, a média de gasto com contador e tudo o que faz você manter sua empresa aberta legalmente.

*É importante deixar claro pra equipe se é você (produtora) que emitirá a nota para o cliente, se cada um vai emitir a nota diretamente para o cliente ou se eles emitirão uma nota para você e você emitirá para o cliente, gerando bitributação. Não vou entrar nesse detalhe todo mas o foco aqui é deixar claro quando você contrata alguém se o valor que você combina é bruto (terá um desconto de nota fiscal em cima) ou líquido (é o valor real que a pessoa receberá)


👉 Atendimento: % do projeto ou valor/job

Muitas vezes você tem uma área comercial ou alguém responsável por fazer a ponte com o cliente. Em alguns projetos, quem traz o projeto é responsável pelo contato com o cliente do início ao fim e recebe uma porcentagem do projeto para isso. Por que essa interação dá trabalho: organizar reuniões, aprovações, enfim cuidar de tudo.


👉 Valor da produtora: % em cima de todos os custos

Esse o valor que vocês cobram pelo expertise, pela marca de vocês. Apenas esse grupo de pessoas pode montar essa equipe e entregar esse projeto desse jeito. Vocês tem os contatos, a reputação, enfim, estão organizando a entrega e isso tem um valor. É o que muitas agências produtoras chamam de fee, que gira em torno de 20% do valor total do projeto.



O QUE VOCÊ PRECISA PARA FAZER UM ORÇAMENTO PARA O CLIENTE

Todos esses passos são fundamentais para você fazer um orçamento do seu projeto. Mas, para o cliente muda pouco se você precisará de 4 ou 6 pessoas, se vai alugar estúdio ou fazer com equipamento próprio. O foco dele é a entrega, o que ele vai receber, em que formato, qualidade, valor e o prazo. Até porque é assim que ele organiza internamente nos setores da empresa. Então, o orçamento para o cliente é outra história.


Exemplo de como fazer um orçamento para o cliente

10 episódios de podcast em áudio MP3 de até 45 min (com bruto de até 2h)

  • Entrega de cada episódio em até duas semanas após a entrega do conteúdo pelo cliente (sempre condicione a entrega às aprovações do cliente. Porque é aí, geralmente, que a esteira engasga)

  • Até duas refações do roteiro (sempre deixe claro quantas relações estão inclusas no seu valor, porque para muita gente “o céu é o limite”, mas o seu orçamento sempre tem um teto)

Lembrar de alguns detalhes:


👉 Prazo de validade da proposta: você certamente ligou pra editora e eventualmente para atores pra ver se estavam disponíveis… Se o cliente demorar a responder, talvez não estejam mais.


👉 Prazo de pagamento: isso é fundamental para que você tenha fluxo de caixa. Alguns clientes demoram até 120 dias para pagar e isso pode significar que você precise entrar com dinheiro próprio para pagar fornecedores, o que aumenta o custo do projeto pra você. Logo, você pode incluir esse aumento no orçamento.


👉 Custo de demanda: Tem clientes mais experientes que entendem o fluxo de uma produção e outros não. Esses segundos podem pedir muitas reuniões presenciais de alinhamento, mudar de ideia várias vezes depois de aprovar um roteiro ou ter uma cadeia decisória super longa o que atrasa as aprovações. Quando envio um orçamento como roteirista, eu já coloco a quantas reuniões presenciais eu irei dentro do valor e que as aprovações serão online. Já incluo também o custo de reuniões extras para que, caso eu seja acionada mais vezes que o habitual, o cliente esteja ciente de um aumento na planilha. Como você já ouviu por aí “o combinado não sai caro”.


👉 Currículo

Vai dar certo? Em relação a equipe, a dúvida do cliente é “eles vão entregar o que prometem?”. E aí vale a pena destacar o currículo da produtora das pessoas envolvidas. Menos que você tenha começado há pouco em podcast, por exemplo. Então você pode falar de outros trabalhos com entregas e gestão de projetos, ou criação artística.

Fazer para um cliente é muito diferente de fazer para você


Numa empresa existem processos e aprovações de conteúdo e financeiros que interferem na forma de produção de conteúdo e você precisa estar atenta a isso para adequar os tempos e fazer uma entrega brilhante! Junto com o orçamento — o seu (mais detalhado) e o do cliente (mais genérico) — é bacana você enviar um cronograma de entregas em linhas gerais. Uma previsão de como as coisas ficam, deixando claro o papel de cada empresa — a sua e a deles — para o cumprimento dos prazos.

Esse é um assunto que merece um texto só para ele, que devo fazer muito em breve.


Como fazer um orçamento: formato


Você deve fazer um orçamento e enviar em PDF. Pode ser em word, pode ser em ppt ou keynote. Se tiver tudo isso que eu citei acima já está lindo.

Mas é claro que se for visualmente moderna e refletir o espírito artístico do seu trabalho, melhor. Não esqueça de colocar seus contatos no final.


Eu tenho uma linguagem muito clara de apresentações no meu portfólio. Ela não é complexa, qualquer pessoa consegue montar, mas é clean e reflete a profundidade do trabalho nas cores, na fonte, nas imagens. É tudo simples, mas escolhido. Se você não manja de design, pede para aquela amiga que manja criar uma identidade de telas pra você, com duas telas que conversam entre si esteticamente você já deixa a coisa bem mais bonita, isso agrega valor na sua proposta.


Essas escolhas dependem do cliente. Quando mando orçamento de minhas palestras e treinamentos, mando um pdf de word muito simples. Ele tem tudo o que eu falei acima mas não tem linguagem visual — porque os clientes no geral já me conhecem e estão comprando um treinamento e não uma obra de arte. Já se você está vendendo um produto, um projeto artístico, o ideal é que, na hora de fazer um orçamento, o formato da apresentação reflita isso! Lembre-se: podcast é arte! O valor de cada um na equipe é composto de vários elementos além das horas de trabalho: experiência, especialidade, qualidade dos equipamentos… posso fazer um texto só sobre isso depois ;)


Outros textos que podem te interessar:


Como fazer um podcast de sucesso Podcast é uma paixão compartilhada: descubra a sua Como fazer um podcast de sucesso do zero? Fazer um podcast é,… www.linkedin.com

Sobre mim: Além de produzir vídeos e podcasts, trabalhar como atriz, facilitadora e roteirista, também contrato muitos profissionais e quando atuo como Diretora Artística e de Conteúdo. Coloquei aqui tópicos escritos e vou fazer alguns vídeos aprofundando temas que considero importantes. Também fundei o podcast Baseado em Fato surreais onde fui co-host por 4 anos até o final de 2020.


#podcast #direção #orçamento #mentoria


*Artigo publicado originalmente no linkedIn